15 de dezembro de 2018

Bolo de cenoura com ganache de chocolate

Um bolo caseiro e super fácil de fazer com um ganache de chocolate delicioso, o que se pode pedir mais?
 
Com esta receita costumo usar uma forma de buraco mas desta vez experimentei uma lisa e um pouco grande, daí o bolo ter ficado mais baixo do que o habitual. Mas aquela cobertura... ai aquela cobertura...
 
Doçaria

Ingredientes:

4 cenouras cruas médias
3 ovos grandes
1 chávena de óleo
3 chávenas de farinha de trigo
2 chávenas de açúcar
fermento

Colocar tudo no copo misturador (as cenouras devem estar cortadas em pedaços pequenos), ligar o aparelho na sua potência máxima durante 2 minutos. Colocar numa forma untada e enfarinhada e levar a forno médio (180º) durante uns 30 minutos.

Desenformar quando estiver morno.

Ganache de chocolate:

100 gr de chocolate de culinária
1 pacote de natas (200 ml)

Picar o chocolate e levar ao micro-ondas com as natas, o tempo necessário para poder derreter o chocolate sem ferver as natas. Em caso de dúvidas é preferível ir vigiando, abrindo a porta de 5 em 5 segundos. Como alternativa, pode derreter o chocolate nas natas aquecidas em banho-Maria, da forma tradicional.

Este ganaché deve ser colocado ainda morno sobre o bolo.

Alternativa de cobertura
Pode sempre optar por substituir o ganaché de chocolate por uma calda de cenoura. É só levar ao lume água e açúcar para fazer uma calda ligeira e acrescentar cenoura ralada em tirinhas muito finas. Deixar espessar e cozinhar.  Regar o bolo enquanto a calda ainda estiver morna.

E é isto. Um bolo simples de preparar e com a possibilidade de fazê-lo com dois tipos de cobertura diferentes. Escolha a que mais gosta e...

Bom apetite

8 de dezembro de 2018

Outono em Sintra - a Volta do Duche

Tem este nome curioso porque em tempos existiram por ali uns banhos públicos. A Volta do Duche fica no centro de Sintra e é uma zona muito apreciada, já que permite ver toda a encosta da serra que emoldura parte da vila e nesta altura do ano tem uma variedade de tonalidades que vão desde o verde ao castanho, passando pelos tons mais amarelados.
 
Por entre o sol a espreitar e o nublado típico da região, sente-se no ar o cheiro a outono numa tarde de temperatura amena.
 
Sintra

Sintra

Sintra

Sintra

Sintra

Sintra

Sintra

Sintra

Vale ou não a pena apreciar o Outono desta forma? Eu sou uma pessoa que valoriza todas as épocas do ano. Podemos sonhar com dias quentes e longos, mas isso não altera o facto de estarmos numa fase em que os dias são mais curtos e mais frios, aproveitemos então o melhor de cada época. Concordam comigo?

3 de dezembro de 2018

O Reino do Natal

Uma vez mais, a vila de Sintra recebe o Reino do Natal. É um espaço instalado no Parque da Liberdade, no centro da vila e que permite a todos terem contacto com um reino encantado de fadas e duendes. Pelos recantos do parque estão distribuídas instalações, onde crianças e adultos são transportados para um mundo mágico. Há também ateliers para crianças, jogos e pinturas faciais. Se quiser, pode também fazer uma refeição ligeira e assistir a representações e actuações musicais de grupos infantis e juvenis de Sintra.
 









Descobri até a oficina do Pai Natal, eheh. Estavam lá dois ajudantes muito simpáticos e atarefados com a construção dos brinquedos.



 
Há tanto para fazer e ver no Reino de Natal, que só mesmo com uma visita ficará a saber tudo. Para entrar neste Reino é pedido que faça a doação de um valor simbólico ou que entregue um bem alimentar que reverterá para a ajuda às famílias carenciadas do concelho e pela primeira vez, este ano também poderá doar alimentos para animais.
 
Horários:
de 1 a 18 de Dezembro: dias úteis das 9h às 17h e fins de semana das 11h às 19h
de 19 a 23 de Dezembro: das 11h às 19h
 
Se poderem não deixem de visitar. De certeza que farão um regresso à infância e sairão satisfeitos.



20 de novembro de 2018

A Fonte

Situa-se na Alameda D. Afonso Henriques, na freguesia do Areeiro em plena Lisboa. Deram-lhe o nome de Fonte Monumental da Alameda mas tornou-se popularmente conhecida como Fonte Luminosa e é um monumento de uma grandiosidade ímpar cuja inauguração em 1948 pretendeu celebrar o abastecimento regular de água a toda a zona oriental da cidade.
Talvez um pouco esquecida a nível turístico, esta obra projetada pelos irmão Rebello de Andrade nem sempre se encontra em pleno funcionamento, uma vez que a manutenção se torna muito dispendiosa.  Está preparada para funcionar com um jogo de luzes e de água que a torna incrivelmente bela e que facilmente se poderia  transformar num ex-libris da capital, à semelhança da Fonte de Trevi em Roma.
 
É composta por um grande lago e dois níveis de queda de água que com o auxilio de um potente sistema eléctrico a bombeia em circuito fechado.
 
Lisboa
 
No centro do lago vemos uma figura equestre segurando uma caravela, ladeado por quatro tágides, as fantásticas ninfas do Tejo, criaturas mitológicas descritas por Camões na sua obra Os Lusíadas.

Lisboa



Lisboa

Lisboa

Lisboa

Lisboa

O miradouro que existe ao cimo deste monumento proporcionou uma vista muito bela sobre a Alameda neste fim de tarde onde o sol se escondia para lá do horizonte.

Lisboa

Este é um dos pontos de  Lisboa do qual eu gosto especialmente. Como referi, é pena que seja frequentemente esquecida, não pelos Lisboetas, que tenho a certeza que admiram a sua Fonte Luminosa, mas a um nível mais geral. Eu compreendo que a manutenção seja dispendiosa para a colocar em funcionamento pleno e permanente, mas talvez se tornasse rentável com algum tipo de parceria, pois motivos de interesse não faltam para a pôr a brilhar de novo. Por agora contentemo-nos em aprecia-la em funcionamento parcial ou em ocasiões especiais quando a Câmara abre as suas portas e permite aos visitantes descobrir os "segredos" do seu funcionamento em datas anunciadas previamente.

8 de novembro de 2018

O móbile do Martim

Já nasceu e, tal como as irmãs, terá um móbile com o seu nome. É super gratificante acompanhar o crescimento das famílias à medida que me vão sendo encomendados os móbiles para os novos elementos.
 
Bem vindo Martim.
 
Móbile em feltro

Móbile em feltro

 
Qual a origem do nome?

Segundo o Dicionário de Nomes Próprios sendo um nome de origem latina, Martim deriva de Matinus e significa "guerreiro" pela sua conexão ao Deus Marte que na mitologia romana era o Deus da Guerra.

Durante muito tempo este nome esteve relacionado com a realeza e com o poder, tornando-se, pouco a pouco um nome bastante comum em Portugal.

É curioso saber estas coisas, confesso que nunca tinha parado para pensar de onde viria este registo, nem tenho ninguém com esse nome assim por perto. E por aí, há algum Martim nas vossas vidas?

4 de novembro de 2018

Festival Internacional de Balonismo de Coruche

Nos últimos dias Coruche tem sido palco do Festival Internacional de Balonismo. Pelo 2º ano consecutivo a vila recebe este festival que conta com a participação de equipas de Portugal e de outros países da Europa, bem como representantes do Brasil e dos Estados Unidos da América.
 
Assim que soube desta iniciativa pensei logo em ir até Coruche ver de perto os balões. Contava fazer fotografias espectaculares com um bonito céu azul mas em Novembro nem sempre isso é possível, o que não impediu de ser uma tarde memorável. Ver toda a preparação e subida destes gigantes é algo impressionante e o que não faltou foi vontade de subir também.
 
 










Em participação está também um modelo completamente diferente. Trata-se do Superbike Motor Ballon PH-GJV. Tem um peso total de 1200kg (só o balão pesa 560kg), tendo um volume de ar na ordem dos 9000 m3. Foi feito em 2010 pela Lindstrand Ballons e é pilotado por uma equipa liderada por Herman Kleinsmit.
 
É impressionante:





Quem sabe um dia eu faço um voo em balão de ar quente. Alguém por aí com a mesma vontade?

24 de outubro de 2018

Tarte de limão merengada

Hoje trago uma receita de tarte de limão super fácil e também económica. Espero que façam e depois digam-me o resultado.



 
Receita
 
2 pacotes de bolacha Maria
200 gr de margarina
1 lata de leite condensado
1 limão
3 ovos
2 colheres (sopa) de açúcar

Triturar as bolachas, misturar a manteiga e espalhar numa tarteira de fundo amovível, deverá preencher a base da tarte e também ao laterais, ou seja, ir calcando a mistura e fazendo-a subir, acompanhando a forma.

Num recipiente misturar bem o leite condensado com o sumo e as raspas do limão. Juntar em seguida as gemas, batendo bem. Deitar o preparado sobre a base da tarte e levar a forno médio (180º) cerca de 10 minutos.
 
À parte, bater as claras em castelo, adicionar o açúcar e bater um pouco mais. Deitar sobre a tarte, que deverá estar já meio cozinhada e levar a alourar em forno médio, durante 5 minutos aproximadamente.

nota: ao colocar as claras batidas, deverá  puxar uns picos com um garfo para dar o efeito pretendido.
 
 
Bom apetite!

19 de outubro de 2018

Coimbra é uma lição...

Passar por Coimbra e ficar por lá meia dúzia de horas não permite ver a cidade na sua total dimensão. É um lugar riquíssimo do ponto de vista histórico e cultural e merece uma visita demorada, mas foi a possível desta vez e gostaria de mostrar um pouco daquilo que vi.
 
Praticamente todas as cidades com uma história antiga são banhadas por um rio e este caso não é excepção. O rio Mondego nasce na Serra da Estrela e atravessa Coimbra, tornando-se num dos pontos de referência obrigatórios. É verdadeiramente inspirador passear nas suas margens. Existem espaços de lazer, cafés e toda uma envolvência pensada para o visitante ou morador passar uma horas tranquilo.
 


Coimbra

Coimbra

Logo ao lado, a espreitar o rio, encontra-se o Hotel Astória. Projetado na primeira década do século passado pelo arquiteto Adães Bermudes e juntamento com o edifício do Banco de Portugal, constituem as maiores representações de Arte Nova em Coimbra.
 
Coimbra
Edifício do Hotel Astória
Os dois edifícios avistam-se em conjunto a partir do Largo da Portagem, a principal praça da cidade. Noutros tempos, este espaço era uma zona de cobrança de impostos sobre as mercadorias que vinham do sul.

Coimbra
Largo da Portagem
Daqui parte-se para a zona mais movimentada da cidade, cheia de lojas e turistas. É incrível como em determinadas ruas pouco se ouve falar português, tantas nacionalidades que andam por ali. Definitivamente o turismo está mesmo em alta em Portugal.

cidade

Coimbra

Coimbra

Coimbra ergue-se a partir de uma colina e por isso para chegar ao seu lugar mais emblemático é necessário subir a cidade, percorrer ruas estreitas das quais partem escadinhas de acesso. Lá em cima a paisagem permite ver todo o casario tendo o rio como pano de fundo.

Coimbra
 
E é aqui que encontramos um dos maiores ex-libris da cidade: a Universidade de Coimbra.
 
Criada a 1 de Março de 1290 pelo rei D. Dinis por assinatura de documento real em Leiria, passou por um largo período de tempo onde decisões políticas a fizeram deslocar-se alternadamente entre Lisboa e Coimbra.  
 
Definitivamente instalada no ano de 1537, viria a ocupar o então chamado Paço Real da Alcáçova alterando o nome para Paço das Escolas. Mais tarde, e devido ao acréscimo de faculdades, estas tiveram que alargar o seu território para edifícios construídos ali à volta.
 
Coimbra
À esquerda, a famosa Torre da Universidade de Coimbra

Coimbra
 
 
Coimbra
Fachada principal
Pormenor da fachada do edifício principal
Coimbra
Pátio interior

Coimbra

Com uma forte ligação à Universidade de Coimbra existe ainda o Penedo da Saudade, um lugar especial onde através de placas que vão sendo ali colocadas são relembrados cursos, turmas e tudo o que esteja relacionado com a vida académica.

Coimbra


Coimbra
Penedo da Saudade
Muito mais haveria para visitar em Coimbra, mas ficará para uma próxima oportunidade. Por aí, tenho leitores de Coimbra? O que é que podem acrescentar? Contem-me quais os lugares que, para além dos mais conhecidos, qualquer visitante não pode mesmo perder, aqueles pequenos sítios encantadores para quem não conhece. Fico à espera das vossas sugestões.